Estado de São Paulo março.2021

PIB paulista cresceu 0,4% em 2020

Análise em PDF

Economia do Estado de São Paulo entrou na crise da Covid-19 com melhor desempenho em relação à nacional

Segundo o Seade, o PIB paulista cresceu 2,2% em 2019, contra 1,4% da economia brasileira (IBGE).

Setor de serviços cresceu, é forte no segmento para as empresas e tem peso na economia paulista

O segmento de serviços em São Paulo já apresentava, desde o final de 2019, desempenho superior à média nacional (2,7% contra 1,7% em termos anualizados), diferença que aumentou em 2020.

O Estado de São Paulo concentra o setor terciário mais moderno do país, com forte presença dos serviços prestados às empresas, como atividades financeiras, imobiliárias e de informação e comunicação; nos outros estados, os serviços voltados às famílias têm maior importância, os quais são mais sensíveis às medidas de distanciamento social necessárias para o combate à pandemia.

Destaque para as atividades financeiras, cujo desempenho decorreu do crescimento do crédito: empréstimos tomados por empresas e famílias para fazer frente a dificuldades no período de pandemia e aumento do crédito imobiliário, favorecidos por taxas de juros mais baixas.

Economia paulista é diversificada

Resultado positivo do PIB também teve contribuição da construção civil e do agronegócio (ampliação de 8,4% da indústria de alimentos no estado, segundo a PIM-PF), como a produção de açúcares, favorecida pelo preço no mercado internacional.

Taxas de crescimento anual, por setor, 2020, em % (1)

Gráfico de Taxas de crescimento anual, por setor

Estrutura setorial no PIB e contribuição para o resultado, 2020 (1)

Tabela de Estrutura setorial no PIB e contribuição para o resultado

Fonte: Fundação Seade.